Menu

segunda-feira, 14 de março de 2011

"The most powerful force in nature is a Mother's Love"

Ontem, entre as nossas passeatas de fim-de-semana, descobrimos o Paris Theatre. É a sala de cinema onde Carrie Bradshaw vai para assistir ao filme Joy for Two, sozinha, em plena "date night", como a horrorizada Charlotte enfatiza.
Mas o que nos chamou a atenção, à primeira vista, nem foi o nome deste cinema, foi antes o cartaz do filme em exibição: The Last Lions.
Trata-se de um documentário da National Geographic, realizado por Dereck e Beverly Joubert, um casal que abraçou a missão dar a conhecer os grandes predadores africanos, bem como a sua importância no frágil ecossistema em que estão inseridos.
Confesso que fiquei dividida entre ver ou não ver o filme. Por um lado, queria assistir, por ser um documentário, por ser sobre leões, por se passar em África, em plena savana, uma área que tenho tanta curiosidade em conhecer. Por outro lado, conheço bem a carga dramática que este tipo de filme acarreta. E se eu já choro a ver o Rei Leão, o que é que eu poderia esperar de um documentário sobre a história de sobrevivência de uma mãe leoa e das suas crias?...
Mas o meu Mr. Big lá me conseguiu convencer a ir. E valeu a pena. 
The Last Lions conta-nos a história épica e real de Ma di Tau (significa "Mãe de Leões"), passa-se no Botswana e a narração é feita pelo actor Jeremy Irons. 
Tudo começa quando Ma di Tau e o seu companheiro vêem o seu território ocupado por grupo de leões. Estes, por sua vez, procuram um novo espaço para viver, depois de perderem o seu território para os humanos. Em questão de horas, a realidade de Ma di Tau muda drasticamente. O seu companheiro, depois de lutar pelo terreno, acaba por ser vencido pelo grupo de leões invasores, em clara vantagem numérica. Também ela tem de enfrentar os ataques das leoas, mas consegue sobreviver, talvez por saber que algures na savana se escondem as suas três crias. 
É por elas que Ma di Tau vai lutar, crescer e tornar-se numa grande leoa, superando duras provas e sempre sob a ameaça dos restantes leões. 
Se chorei? Claro! E muito. Acho que pela primeira vez chorei compulsivamente numa sala de cinema. Mas também me ri com as brincadeiras dos pequenos leões, e acima de tudo, contribui para ajudar a causa da Conservação dos Leões Africanos no Botswana.
E vocês também podem ajudar, basta assistirem ao trailer do filme no Youtube! Por cada visualização, uma pequena quantia é doada. O link é este: http://www.youtube.com/watch?v=HZ7SvK7w1xA. Não deixem de ver o trailer, até porque tenho a certeza de que vão gostar.
Também podem saber mais sobre a história de Ma di Tau no site da National Geographic, em http://movies.nationalgeographic.com/movies/last-lions/.
Ma di Tau e as suas crias.
Os realizadores deste magnífico e emocionante filme, Dereck e Beverly Joubert.

4 comentários:

Raquel Fernandes disse...

Se gostaste deste vê a Marca Imperial do Luc Besson sobre Pinguins. Também chorei ;)

Mary disse...

Olá Raquel! Também vi a Marcha Imperial quando esteve no cinema e adorei. Mas este tocou-me ainda mais! Não sei se é por ser a história de uma mãe, mas mexeu mesmo comigo! Obrigada pela sugestão!

Cádinha disse...

Agora fiquei mesmo com vontade de ver... mesmo mesmo!

Naza disse...

Uau! Adorei o trailer!! Vou ver com certeza!! E chorar baba e ranho também...;)